contato@nucleoproendometriose.com.br
(11) 3223-0069
(11) 98459-9036
Quem Somos
Home
Tratamentos
Blog
Contato
Agende sua Consulta
Fases do Endométrio
Veja também
O endométrio é o tecido que reveste a parte de dentro do útero e que durante todo o ciclo menstrual passa por fases e diferentes espessuras.

É nele que o embrião se aloja quando ocorre a fecundação. Entretanto, o endométrio tem que estar na espessura correta e totalmente saudável para que isso ocorra.

Quando a gravidez não acontece, esse tecido descama e é expelido no processo conhecido como menstruação.

São três as principais fases que caracterizam o ciclo do endométrio.

Fase Proliferativa: Quando o endométrio está com a menor espessura, totalmente descamado. Essa fase coincide com o fim da menstruação e é o momento em que o estrogênio libera células que aumentam sua espessura.

Fase Secretora: Ocorre durante o período fértil. Progesterona e estrogênio preparam o endométrio com nutrientes, tornando o útero um ambiente mais favorável à fixação e sustento do embrião. É a fase em que o endométrio fica mais espesso.

Caso não haja fecundação ou o embrião não consiga ficar no endométrio, a mulher irá menstruar.

Fase Menstrual: Conforme os níveis hormonais caem, o endométrio passa a ser menos irrigado e torna-se menos espesso. Tais alterações fazem acontecer sua descamação, gradativamente o endométrio solta-se da parede do útero gerando o sangramento menstrual.

A espessura endometrial mínima para que ocorra uma gravidez é de 8 mm sendo 18 mm considerada ideal. Um endométrio com menos de 6 mm na fase secretora é incapaz de sustentar um embrião e as principais causas dessa alteração são a falta de progesterona, uso de anticoncepcionais e lesões por aborto ou curetagem.

Após a menopausa, a espessura do endométrio geralmente é de 5 mm. Se, por acaso, os exames ginecológicos detectarem um endométrio mais espesso, é necessário dobrar a atenção. Uma série de outros exames devem ser feitos para descobrir a causa desse aumento.
Que tal agendar uma Consulta para ouvir a opinião de nossos especialistas?
Agende sua Consulta
Porque escolher o Núcleo PróEndometriose
O diferencial é importante no quesito responsabilidade com o paciente.
Profissionais capacitados para auxiliar e cuidar da mulher, como ela merece ser cuidada, com profissionalismo e amor
Médicos conceituados que trabalham no setor de Endometriose da Santa Casa de São Paulo
Diagnósticos precisos, com respostas rápidas para um tratamento correto e direcionando
Foco
Conceito
Precisão
Últimos Posts
?
?
Fases do Endométrio
O endométrio é o tecido que reveste a parte de dentro do útero e que durante todo o ciclo menstrual passa por fases e diferentes espessuras. É nele que o embrião se aloja quando ocorre a fecundação. Entretanto, o endométrio tem que estar na espessura correta e totalmente saudável para que isso ocorra. Quando a gravidez não acontece, esse tecido descama e é expelido no processo conhecido como menstruação. São três as principais fases que caracterizam o ciclo do endométrio. Fase Proliferativa: Quando o endométrio está com a menor espessura, totalmente descamado. Essa fase coincide com o fim da menstruação e é o momento em que o estrogênio libera células que aumentam sua espessura. Fase Secretora: Ocorre durante o período fértil. Progesterona e estrogênio preparam o endométrio com nutrientes, tornando o útero um ambiente mais favorável à fixação e sustento do embrião. É a fase em que o endométrio fica mais espesso. Caso não haja fecundação ou o embrião não consiga ficar no endométrio, a mulher irá menstruar. Fase Menstrual: Conforme os níveis hormonais caem, o endométrio passa a ser menos irrigado e torna-se menos espesso. Tais alterações fazem acontecer sua descamação, gradativamente o endométrio solta-se da parede do útero gerando o sangramento menstrual. A espessura endometrial mínima para que ocorra uma gravidez é de 8 mm sendo 18 mm considerada ideal. Um endométrio com menos de 6 mm na fase secretora é incapaz de sustentar um embrião e as principais causas dessa alteração são a falta de progesterona, uso de anticoncepcionais e lesões por aborto ou curetagem. Após a menopausa, a espessura do endométrio geralmente é de 5 mm. Se, por acaso, os exames ginecológicos detectarem um endométrio mais espesso, é necessário dobrar a atenção. Uma série de outros exames devem ser feitos para descobrir a causa desse aumento.
Leia Mais
Endometriose na Adolescência
A doença conhecida como endometriose caracteriza-se pela presença do endométrio fora da cavidade uterina. Esse tecido que reveste o útero é expelido a cada menstruação, mas em alguns casos partes dele se deslocam contra o fluxo sanguíneo e se aloja nas trompas, ovários e até no intestino. Essa condição, o quadro endometriótico, ocorre também em adolescentes e na maioria dos casos o diagnóstico nessa faixa etária é mais difícil de ser feito, pois alguns sintomas podem ser confundidos como normais nessa fase da vida. Outro motivo que complica a diagnose é que muitas jovens com endometriose ainda não têm uma vida sexual ativa e, portanto, não manifestam sintomas como os incômodos durante relações sexuais e dificuldade para engravidar. Mais da metade das meninas e jovens que apresentam cólicas fortes e persistentes sem sucesso nos tratamentos, acabam desenvolvendo endometriose. Para corroborar esse índice, uma pesquisa da Endometriosis Association afirma que cerca de 60% das mulheres adultas que sofrem da doença, recordam-se de terem apresentado sintomas antes dos 20 anos. Uma investigação minuciosa faz toda a diferença, afinal pode existir um intervalo de 12 anos entre os primeiros sintomas e a confirmação da doença que, se não for identificada a tempo, pode vir a prejudicar de forma drástica a fertilidade da paciente. O acompanhamento médico é indispensável na definição do melhor tratamento possível para que a qualidade de vida das adolescentes seja preservada. Agende sua consulta com o Núcleo.
Leia Mais
Dieta protetora
Ainda não existem respostas definitivas para entender as causas da endometriose. O que dá para afirmar é que existem relações entre o estilo de vida e o desenvolvimento da doença. Por se tratar de uma doença inflamatória, uma alimentação balanceada contribui para a proteção do organismo e cumpre um papel complementar ao tratamento médico, melhorando sintomas e evitando a progressão do quadro endometriótico. O considerável aumento do consumo de carne vermelha, embutidos, frituras e alimentos ultraprocessados, ricos em gordura ômega 6, têm contribuído para piorar a qualidade de vida de pessoas em todo planeta. No que diz respeito à endometriose, tais gorduras pioram a inflamação e as consequentes dores causadas pela presença indevida do endométrio fora do útero. Há alguns dados conflitantes na literatura médica especializada no assunto, mas o papel de certos nutrientes no controle de processos inflamatórios é inegável. Portanto, as mulheres devem dar preferência a alimentos que apresentem bons índices de ômega 3 e outras gorduras de boa qualidade como nozes, amêndoas, linhaça, sementes de chia, entre outros. É indicado também o consumo de antioxidantes presentes nas vitaminas A (vegetais verde-escuros e amarelo-alaranjados), C (tomate, pimentão e frutas cítricas) e E (azeite, abacate, cereais integrais), essenciais no combate aos radicais livres tão nocivos para quem possui algum tipo de inflamação. Vitaminas do complexo B também são aliadas das mulheres, pois auxiliam na regulação do ciclo menstrual e também modulam inflamações. As dores relacionadas à endometriose tendem a diminuir com a presença desse grupo vitamínico na alimentação, enquanto que farinha de trigo refinada, cafeína, açúcar e bebidas alcoólicas devem ser evitadas por diminuírem os níveis dessas vitaminas no organismo. É de extrema importância que o consumo de alimentos orgânicos e saudáveis sejam incentivados desde cedo para que bons hábitos sejam desenvolvidos. Ingestão de legumes, verduras e frutas são fundamentais, assim como a preferência por carnes, ovos e leite de animais criados sem reforços de hormônio, porque a endometriose está intimamente ligada a níveis hormonais desregulados.
Leia Mais
O que é adenomiose?
O que é? Adenomiose ocorre quando o endométrio, tecido que reveste o interior do útero, invade o miométrio (a parte muscular do órgão), deixando as paredes uterinas mais espessas. Esse quadro pode vir a causar dores, sangramentos e cólicas intensas durante a menstruação. Sintomas Os sintomas da adenomiose são os seguintes: - Prisão de ventre - Dores durante as relações sexuais - Fluxo menstrual mais intenso e duradouro - Cólicas muito fortes - Inchaço da barriga É importante lembrar que nem sempre a adenomiose vem acompanhada de sintomas, mas quando se fazem presentes tendem a começar depois de uma gravidez e desaparecem com a chegada da menopausa. A doença também pode causar dismenorreia e hemorragia uterina anormal. Diagnóstico O diagnóstico deve ser feito pelo ginecologista que, na maioria dos casos, pede exames de imagem como ressonância magnética, histerossonografia e ultrassom intravaginal que permitem avaliar o útero e a espessura de suas paredes. Tratamento Existem diferentes maneiras de se tratar essa condição, que variam de acordo com os sintomas apresentados e podem ser feitos com cirurgia ou medicamentos. Alguns dos tratamentos possíveis são: - Tratamento com hormônios, seja com pílulas anticoncepcionais à base de progesterona, anel vaginal, DIU ou adesivo anticoncepcional - Tratamento com anti-inflamatórios para alívio da dor e inflamação - Cirurgia para a retirada do tecido endometrial excedente em casos onde a adenomiose está numa área limitada do útero e sua invasão dentro do tecido muscular uterino ainda não é avançada - Cirurgia para a retirada total do útero, uma histerectomia completa, e geralmente não há necessidade de remoção dos ovários. Apenas indicada para casos extremos em que os sintomas comprometem a qualidade de vida da paciente de forma severa e irremediável. Diferença de Adenomiose e Endometriose Adenomiose é diferente de endometriose pois, enquanto a primeira é caracterizada pela infiltração do endométrio na camada muscular do próprio útero, a segunda consiste no crescimento do tecido endometrial fora da cavidade uterina.
Leia Mais
Exercícios físicos e endometriose
É fato que exercícios físicos são essenciais para que se tenha uma boa qualidade de vida. Até aí, nenhuma novidade. Entretanto, pesquisas apontam a importância que a prática regular de atividades físicas tem para mulheres com algum tipo de endometriose. O efeito vasodilatador e analgésico que a endorfina proporciona ao ser liberada no organismo quando exercícios aeróbicos são feitos é indiscutivelmente benéfico. Praticar caminhada, corrida, pedalar ou nadar de três a quatro vezes por semana, durante 30 ou 40 minutos auxilia no controle dos sintomas da endometriose e, inclusive, pode ajudar na prevenção da doença. Isso acontece devido ao resultado que a atividade física proporciona ao corpo humano. O metabolismo acelera, o sistema imunológico fica mais forte e os níveis de estrogênio tendem a ser regulados. É esse o efeito principal dos exercícios físicos para desacelerar ou mesmo inibir o desenvolvimento da endometriose, afinal o estrogênio é o hormônio responsável, entre outras coisas, pelo crescimento do endométrio. Porém, antes de começar a se exercitar é importante fazer uma visita ao médico para que sejam feitas as avaliações físicas e os acompanhamentos necessários para que não haja nenhum prejuízo à saúde. O Núcleo está aqui para oferecer todo suporte necessário. Agende sua consulta com a gente.
Leia Mais
Mioma Uterino
O que são: Miomas são tumores benignos que se encontram no interior do útero, geralmente nas mulheres em idade fértil. Felizmente, não estão relacionados com maiores chances de desenvolvimento de câncer uterino. Eles recebem esse nome pois surgem do tecido muscular liso do útero, o miométrio. Apenas uma célula em divisão descontrolada é o suficiente para que sejam criados tais nódulos. Os fibromas não seguem padrões de crescimento previsíveis, aumentam ou minguam em distintas velocidades e, inclusive, podem manter o mesmo tamanho. Miomas que aparecem durante a gestação, na maioria dos casos diminuem ou simplesmente desaparecem após o trabalho de parto. Causas e fatores de risco: As questões genéticas e hormonais são os principais gatilhos dos miomas. Mulheres da mesma família tem mais chances de desenvolverem miomas caso alguma parente próxima tenha apresentado esse quadro. Quanto aos hormônios, a questão gira em torno da progesterona e do estrógeno. Responsáveis pelo crescimento do endométrio para preparar o útero para uma possível gravidez, se estiverem em desequilíbrio podem causar os fibroides (outro nome utilizado para os miomas). Importante lembrar que mulheres negras apresentam mais chances de terem miomas maiores e em maior quantidade e, geralmente, são acometidas mais cedo pela doença. Outros fatores podem favorecer o surgimento de miomas como: início precoce de menstruação, dieta com bastante consumo de carne vermelha e pouca ingestão de frutas e verduras, além do consumo de bebidas alcoólicas. Sintomas: Alguns casos de miomas não apresentam nenhum indício sintomático e apenas são descobertos em exames ginecológicos de rotina. Contudo, quando os fibromas causam sintomas, estes costumam ser: - Micção frequente - Períodos menstruais prolongados por mais de sete dias - Maior fluxo de sangramento menstrual. - Dor ou pressão na região pélvica - Sangramentos mensais inesperados, em alguns casos com coagulação. - Prisão de ventre - Dificuldade em esvaziar a bexiga - Dor durante as relações sexuais Tratamento: Os miomas podem ser tratados de diferentes maneiras, dependendo das características de cada quadro. Pode ser que em casos assintomáticos apenas o acompanhamento médico seja o suficiente para monitorar o desenvolvimento das lesões. Em outras situações podem ser necessárias intervenções que o especialista poderá indicar: - Dispositivo Intrauterino - Contraceptivos - Suplementação vitamínica para repor nutrientes perdidos no sangramento - Tratamentos hormonais. Há casos que procedimentos cirúrgicos minimamente invasivos resolvam a questão: - Miólise - Miomectomia histeroscópica - Ablação endometrial e ressecção dos miomas Em quadros extremos podem ser indicados os tratamentos cirúrgicos convencionais como a miomectomia abdominal e a histerectomia. É evidente que o acompanhamento médico responsável é fator primordial para o diagnóstico e tratamento seguro. Portanto, não deixe de realizar os exames de rotina e, sempre que sentir alguma alteração no funcionamento normal do organismo, procure um médico. Agende sua consulta conosco. o Núcleo Pró Endometriose está aqui para ajudá-la a cuidar da saúde e melhorar sua qualidade de vida.
Leia Mais
Pólipos Uterinos
O que são: Os chamados pólipos uterinos são formações de tecido na parte interna do útero que, geralmente, são benignas. Porém, podem causar muito desconforto e dificultar a gravidez. Nem sempre essa condição vem acompanhada de sintomas, mas quando eles existem são os seguintes: - Intensas cólicas menstruais - Corrimento com mau cheiro - Sangramento vaginal após a menopausa - Menstruação irregular - Menstruação abundante, sendo necessário mais de um pacote de absorvente por ciclo. - Sangramento vaginal após contato íntimo Existem, também, fatores de risco que aumentam as chances de a mulher desenvolver pólipos endometriais, como o diabetes, hipotireoidismo, cistos mamários e hipertireoidismo. O diagnóstico: O diagnóstico deve ser feito por ultrassonografia transvaginal ou pela chamada histeroscopia diagnóstica, método que consiste em colocar uma câmera pequena, de 3,9 a 5 mm de diâmetro, dentro do útero para sua visualização direta. O tratamento: Caso a paciente não esteja na menopausa, não apresente fatores de risco para tumores malignos e exista apenas um pólipo de até 15 mm, pode-se adotar a conduta expectante, que consiste em esperar para observar o desenvolvimento do quadro e tomar uma decisão mais acertada sobre o tratamento. Em casos que exista a presença de sintomas que diminuem a qualidade de vida da paciente, a polipectomia (retirada dos pólipos) é o tratamento indicado principalmente antes da menopausa, pois é durante o período fértil que há mais chances dos pólipos se tornarem malignos. As chances de retorno dos pólipos são muito pequenas, porém devem ser levadas em consideração. Hábitos saudáveis como a prática de atividades físicas e manter uma alimentação balanceada são medidas importantes para a prevenção. Outro método preventivo é a retirada do útero, também conhecido como histerectomia. Porém, por ser muito mais drástico, deve ser estudado com calma e, se possível, reservado para mulheres que estejam na pré-menopausa ou na menopausa, sem chances de maternidade. O acompanhamento ginecológico contínuo é essencial para assegurar uma vida saudável e mais tranquila. Não deixe de agendar sua consulta, o Núcleo está sempre à disposição.
Leia Mais
Endometrioma na parede abdominal
A presença de um endometrioma nas regiões extrapélvicas é relativamente rara. Quando ocorre na parede abdominal, geralmente há uma associação com cicatrizes cirúrgicas, principalmente cesáreas. Uma das teorias abordadas é a de que, durante a operação, as células do endométrio se espalhem através do corte no útero e venham se alojar no interior da própria incisão. Os sintomas desse tipo de endometriose incluem a formação de um cisto ou inchaço bastante sensível ao toque na área das cicatrizes, com dores que se manifestam em intervalos irregulares. É importante que a investigação das causas desses sintomas seja feita quando coincidem com o período menstrual. Entretanto, nem sempre essa correlação é bem definida, o que pode causar dificuldades em identificar as reais causas do problema. O diagnóstico da endometriose na parede abdominal pode ser feito com auxílio de ultrassonografias e tomografia computadorizada, que são as principais maneiras de averiguar o tamanho da lesão e quão comprometida a parede do abdômen está. A coleta dessas informações é essencial para que o tratamento cirúrgico, para retirada do tecido inflamado, seja planejado da melhor forma. Em caso de dúvidas, entre em contato conosco e agende sua consulta.
Leia Mais
Endometriose não é contagiosa
Apesar de não se saber ao certo as causas exatas da endometriose, acredita-se que a genética seja um elemento de grande influência para que essa condição se desenvolva. O que é certo é que a endometriose não é contagiosa, muito menos provocada por algo que se tenha feito. Importante ressaltar a diferença entre endometriose e endometrite. A segunda é uma inflamação do tecido endometrial que pode ser causada tanto por micro-organismos que são transmitidos nas relações sexuais, como por alguns outros tipos de bactérias. Em caso de dúvidas, agende sua consulta. Estamos à disposição para diagnósticos e aconselhamentos sobre a melhor maneira de tratar cada situação.
Leia Mais
Como fazer o Diagnóstico da Endometriose?
Diversos são os métodos utilizados para tentar estabelecer o diagnóstico da endometriose: - ultra-som pélvico transvaginal - ressonância magnética - enema de bário de duplo contraste - ecoendoscopia baixa (ecocolonoscopia) - ultra-som pélvico transvaginal com preparo intestinal - urografia excretora De forma geral considera-se o ultra-som pélvico transvaginal um bom método de triagem. Este método é bastante sensível no diagnóstico da endometriose dos ovários, mas não é muito adequado no diagnóstico da endometriose profunda.
Leia Mais
Endometriose Profunda x Infertilidade
A relação entre endometriose e infertilidade já vem sendo observada de uma longa data. Boa parte das mulheres só descobre a doença quando decidem engravidar. Vários estudos já comprovaram que das mulheres portadoras de endometriose, cerca de 50 a 70% possuem uma taxa de fecundidade bem inferior das não portadoras da doença. Isso geralmente acontece pois nas pacientes com endometriose profunda, a ovulação é bem inferior à de mulheres não portadoras, e também pode ocorrer a alteração total da pelve, danos nas trompas que acabam impedindo o encontro do óvulo com o espermatozoide, o que impede a fecundação. A endometriose profunda quando instalada pode desencadear um processo inflamatório que influencia diretamente nos processos de ovulação, fertilização e na implantação do embrião no útero. Ou seja, mesmo que um embrião saudável alcance o útero, pode não conseguir se implantar, ocasionando a infertilidade. Após a remoção dos focos da endometriose, se tratada adequadamente, grande parte das mulheres com infertilidade pela doença podem engravidar normalmente. Mesmo com todo o avanço atual da medicina, a melhor forma de se obter um diagnostico precoce da endometriose profunda, é consultando um bom ginecologista!
Leia Mais
Quais os tratamentos indicados para a Endometriose Profunda?
A endometriose atinge cerca de 176 milhões de mulheres férteis no mundo, sendo sete milhões só no Brasil. Já a endometriose profunda, atinge de 10 a 30% das mulheres que possuem endometriose. Ela se apresenta com sintomas severos, cólicas menstruais intensas, cólicas fora do período menstrual, sangramentos anais, infertilidade, e vários outros. Infelizmente é uma patologia que não tem cura, mas como toda doença, o seu tratamento é fundamental para o restabelecimento da qualidade de vida da mulher. O tratamento é totalmente personalizado, de acordo com o quadro de cada paciente após avaliações clínicas, ultrassons e ressonâncias magnéticas, levando-se em consideração idade e se a mesma deseja engravidar ou não, o que influencia diretamente nas possíveis soluções para a doença. Atualmente existem dois tipos de tratamentos para a endometriose profunda: o clínico e o cirúrgico, ou a combinação de ambos. - Tratamento Clínico Se optar pelo tratamento clínico, serão ministradas medicações para a antecipação da menopausa, como analgésicos e anti-inflamatórios para o alívio da dor principalmente no período menstrual, métodos hormonais como pílulas combinadas de estrógeno e progesterona, injetáveis, adesivos, anel vaginal, DIU Mirena, entre outros. - Tratamento Cirúrgico Em casos, mais graves e mais profundos, ou pela ausência de resposta do procedimento clínico, a cirurgia pode ser a solução mais indicada pelo seu médico. A cirurgia de endometriose profunda é realizada via videolaparoscopia, procedimento onde é possível a retirada de todo o tecido endometrial, evitando a retirada dos órgãos afetados. Esse procedimento procura manter a fertilidade da paciente. Em casos em que a mulher não deseja ter filhos, pode ocorrer a remoção dos órgãos afetados. Lembrando que, em alguns casos a endometriose pode retornar e atingir outros órgãos, tornando necessário a retomada do tratamento. Portanto é fundamental que a mulher realize consultas e exames periódicos com o seu ginecologista. Quanto mais cedo for o seu diagnóstico, mais opções para o seu tratamento.
Leia Mais
A importância da Alimentação no tratamento da Endometriose
A endometriose tem se tornado uma patologia cada vez mais comum entre as mulheres em idade reprodutiva. Hoje em dia, ao menos uma em cada dez mulheres é portadora da doença, e muitas ainda nem sabem. Embora esteja se tornando comum, ainda é uma doença cercada de dúvidas. Suas causas e a cura definitiva ainda não foram descobertas, mas o tratamento é capaz de melhorar seus sintomas e evitar que a doença progrida para graus mais severos. A alimentação é algo bastante decisivo no tratamento da endometriose. Muitos alimentos errados podem contribuir para o aumento de dores e inflamações, e consequentemente agravando o quadro da doença. A alimentação adequada é uma grande aliada no combate dos sintomas da endometriose. Uma dieta balanceada, rica em vitaminas e minerais pode prevenir a endometriose assim como auxiliar no seu tratamento, reforçar seu sistema imunológico e reduzir os sintomas da doença. Muitos estudos comprovaram que vitaminas do Complexo B, Magnésio e a suplementação de Ômega-3 exercem no organismo um papel anti-inflamatório, extremamente importante, principalmente para pacientes com endometriose. Conheça alguns alimentos ricos em Magnésio, Ômega-3 e vitaminas do Complexo B: - Magnésio (mineral): folhas verdes escuras como agrião, rúcula, espinafre, escarola, chicória, almeirão, brócolis, couve de Bruxelas, couve manteiga; alimentos integrais (gérmen de trigo, arroz, aveia, centeio, cevada, milho, quinoa, amaranto); semente de girassol, castanhas, tofu. - Ômega-3 (tipo de gordura): óleo de linhaça, linhaça, óleo de canola, óleo de soja, peixes, em especial: sardinha, arenque, salmão, cavala, atum, truta; folhas verdes escuras (agrião, hortelã, brócolis cru, couve manteiga crua); soja, milho, aveia, abacate, algas marinhas e semente de chia. - Vitaminas do complexo B (vitaminas): alimentos integrais e folhas verdes escuras (como destacados nas fontes de magnésio), carnes, peixes, queijo e ricota, feijões, cogumelos, algas marinhas, gema de ovo, sementes de girassol e geleia real. Procure evitar embutidos e enlatados e dê sempre preferência a produtos orgânicos, os agrotóxicos e os hormônios têm sido apontados como grandes vilões na alimentação. Lembrando que é fundamental o acompanhamento por um nutricionista para que o equilíbrio necessário da sua dieta seja atendido, reduzindo assim a inflamação causada pela endometriose.
Leia Mais
Outubro Rosa: Combate ao Câncer de Mama
Outubro chegou, e vem marcado pelo movimento popular mundial em prol ao combate do Câncer de Mama: Outubro Rosa! No Brasil, o movimento foi aderido no ano de 2002, com o intuito de fortalecer a conscientização da importância da doença e estimular às mulheres que procurem se auto examinar e se habituarem a realizar exames periódicos como a mamografia, após os 40 anos de idade. Quanto mais cedo for o diagnóstico, maiores as chances de tratamento, mas não podemos ignorar que o câncer de mama é atualmente o que mais mata mulheres, e raramente, ele também pode atingir os homens. Além dos exames periódicos, uma dieta balanceada acompanhada da pratica de atividades físicas podem ser grandes aliados, uma vez que, o excesso de peso aumenta muito o risco de desenvolvimento da doença. Uma postura preventiva pode reduzir em até 30% os casos da doença. Depois de diagnosticado, o Câncer de Mama pode ser tratado de inúmeras maneiras, como medicações, quimioterapia e intervenção cirúrgica, tudo vai de acordo com cada caso, com cada paciente. Nós do NPE ressaltamos sempre que é fundamental o acompanhamento periódico com seu médico, e que nesse dia tão especial, possamos lutar juntos conta essa enfermidade, promovendo a todas as mulheres a importância de uma saúde cada vez melhor!
Leia Mais
Quais as causas da Endometriose Profunda? Ela tem cura?
A endometriose profunda é uma patologia que pode afetar todos os órgãos do corpo humano. Comumente encontrada na região pélvica, cuja característica é o crescimento do tecido que reveste a cavidade uterina provocando lesões profundas, causando muita dor no período menstrual e fora dele também, durante e após a relação sexual, dificuldade em urinar, ciclos menstruais desregulados, sangramento anal em período menstrual e até infertilidade, comprometendo a qualidade de vida da mulher. As reais causas da endometriose ainda não foram completamente estabelecidas. Várias teorias relacionadas a fatores hereditários, hormonais, imunológicos, entre outros, são levantadas para explicar suas causas, mas sem grandes certezas. Vários médicos apontam algumas possíveis causas sendo menstruação retrógrada, menstruação precoce, crescimento de células embrionárias, sistema imunológico deficiente, hereditariedade, histerectomia, atraso em ter filhos, ciclos menstruais frequentes, menstruações longas (mais de 7 dias), hímen não perfurado, menopausa tardia, substâncias do meio ambiente (pesticidas, poluentes industriais), entre outras. O diagnóstico da endometriose profunda é de responsabilidade do médico ginecologista. Através de exames como laparoscopia e ultrassonografia transvaginal, facilmente é possível detectar a doença, que infelizmente não tem cura definitiva, mas seu tratamento é fundamental restabelecer a qualidade de vida e a vida sexual da mulher, e para não haver um comprometimento maior da sua saúde. Toda doença deve ser tratada. Lembrando que é sempre muito importante consultas preventivas e exames periódicos com seu médico.
Leia Mais
Qual a diferença entre Endometriose Superficial e Endometriose Profunda?
Cólicas muito fortes, fluxo menstrual irregular, dores durante e após relações sexuais, dor e sangramento intestinal, todos esses são sintomas são típicos de endometriose. Trata-se de uma doença que atinge muitas mulheres em idade reprodutiva, onde o endométrio, camada interna do útero que se renova a cada menstruação, se apresenta em locais fora do útero. Existem casos de endometriose assintomática. É necessário, o quanto antes, descobrir o tipo de endometriose para indicar o tratamento mais adequado. Existem dois tipos, a superficial e a profunda. Endometriose Superficial É o tipo de endometriose mais comum entre as mulheres. Compromete diretamente o peritônio da pelve, podendo atingir a superfície dos ovários, tubas, bexigas e do útero. Ela não penetra mais que 5mm e uma simples cauterização é o suficiente para eliminá-la. Endometriose Profunda Trata-se do agravamento da Endometriose Superficial, é mais grave. Vem acompanhada de dor intensa, no período menstrual e fora dele também, durante e após a relação sexual, dificuldade em urinar, ciclos menstruais desregulados, sangramento anal em período menstrual e infertilidade. Ocorre quando o foco invade o tecido por mais de 5mm, provocando lesões mais profundas. Pode comprometer o apêndice, útero, intestino, reto, vagina, bexiga e ureteres. Em ambos os casos existe tratamento. Pacientes mais novas apostam em medicação para suspender o fluxo menstrual. Porém lesões maiores e mais profundas podem ser indicadas ao procedimento cirúrgico. Lembrando que, indiferente do tratamento escolhido, o objetivo maior é o alívio da dor, retomada da fertilidade e a prevenção de recorrências, portanto é fundamental o acompanhamento médico.
Leia Mais
O que é endometriose profunda e quais os sintomas?
A endometriose profunda é uma forma grave que se caracteriza pela presença de tecido endometriótico com mais de 5 mm de profundidade fora da cavidade uterina. Essas lesões normalmente surgem na forma de nódulos e são ricas em fibrose, um tecido conjuntivo endurecido semelhante a uma cicatriz. Ela pode acometer qualquer órgão da pelve, sobretudo os ligamentos uterinos, o intestino, o reto, a vagina, a bexiga e os ureteres. Quais são as causas? A medicina ainda não conseguiu estabelecer a causa da doença. Porém, existe um componente genético, visto que filhas de mulheres com formas avançadas da mesma têm até seis vezes mais chances de desenvolver o problema. E os fatores de risco? É interessante destacar que substâncias presentes no meio ambiente podem favorecer a ocorrência. São os casos de alguns pesticidas, poluentes industriais e do bisfenol-A, produzido no dia a dia a partir do aquecimento do plástico — seja em aparelhos de micro-ondas ou em locais extremamente quentes. E os sintomas? Os principais são menstruar por muito tempo (sem pausa para engravidar e amamentar, por exemplo) e em grandes quantidades. Além disso, sabe-se que algumas enfermidades imunológicas da tireoide estão associadas. Estresse, sono irregular e alimentação inadequada também podem favorecê-la. Quando buscar ajuda médica? A intensidade da dor é um fator importante para buscar um médico. Ao contrário do que diz o mito responsável pelo sofrimento emocional de muitas mulheres, cólicas menstruais fortes não são normais. Os exames preventivos devem ser feitos e o ginecologista consultado sempre que necessário. Como é feita a prevenção? Não há uma forma de preveni-la, mas recomenda-se manter hábitos saudáveis, como fazer uma dieta equilibrada, manter o sono regular, praticar atividades físicas e evitar situações estressantes.
Leia Mais
Atividade sexual comprometida em mulheres com Endometriose Profunda
Um estudo realizado por pesquisadores italianos buscou entender a influência da endometriose profunda infiltrativa (EPI) na função sexual feminina e avaliar o impacto sobre a atividade sexual através da aplicação de questionários às mulheres. Foram entrevistadas mulheres com diagnóstico clínico e ultrassonográfico de EPI e confirmação histológica de endometriose. Durante o estudo, foi solicitado às mulheres que classificassem cinco sintomas de dor, sendo elas, cólica menstrual, dor durante a relação sexual, dor ao defecar, dificuldade para urinar e dor crônica pélvica em uma escala visual analógica de 0 a 10 (EVA), além da função sexual ser avaliada de acordo com o Índice de Função Sexual Feminina (FSFI), que pode ser útil para a avaliação do resultado do tratamento em uma situação de ensaio clínico. Ao todo 170 mulheres com EPI foram identificadas e uma pontuação na escala de dor de 7 ou mais foi tomada como referência para indicar que um sintoma foi "grave". A cólica menstrual foi relatada como grave por 66,5% da amostra, dor durante a relação sexual por 41,8%, dor ao defecar por 32,4% e dificuldade para urinar por 6,5%. Os índices médios do FSFI não diferiram significativamente entre as mulheres com e sem lesões de endometriose em locais específicos, exceto quando se encontrava nos nódulos retovaginais, que se mostraram associados a uma atividade sexual e à função sexual mais prejudicada, concluindo então que mulheres com Endometriose Profunda com infiltração parcial ou total do septo retovaginal devem ter atenção especial.
Leia Mais
Histerectomia não é a solução para a endometriose
Para as pacientes com endometriose, uma doença inflamatória, crônica e estrogênio-dependente, os dias são vividos de forma diferente. Isso ocorre porque as mulheres sonham com a existência de uma cura que não existe, visto que estamos falando de uma enfermidade recorrente e sem tratamento definitivo. O trato dela, contudo, pode ser feito preservando a fertilidade através de procedimentos minimamente invasivos, que ajudam a remediar as consequências da doença e a melhorar as condições de saúde. A mesma é praticada no Núcleo Pró-endometriose pelos melhores especialistas do segmento no Brasil e no mundo, que tem como objetivo oferecer o melhor e mais qualificado atendimento no que diz respeito ao assunto em questão.
Leia Mais
A incidência de enxaquecas em adolescentes com endometriose
Um estudo realizado em Boston, nos Estados Unidos, teve como objetivo investigar a incidência de enxaquecas em adolescentes com endometriose - doença benigna e tampouco cancerosa, que ocorre por meio do crescimento de um tecido que reveste a parede interna do útero em posições onde não deveria estar -. Ele contou com jovens cirurgicamente diagnosticadas, recrutadas tanto na comunidade local como em clínicas adjacentes entre os anos de 2012 a 2016, e abordou um extenso questionário sobre o histórico médico, o estilo de vida, o uso de medicamentos e o tratamento de sintomas. O mesmo foi disponibilizado previamente e respondido de forma adequada, assim como as dores de cabeça e a gravidade da dor pélvica não cíclica foram avaliadas usando uma escala de classificação numérica de 11 pontos. Os resultados indicaram que aquelas que possuem a enfermidade são mais propensas a ter cefaleia (69,3%) do que aqueles que não tem endometriose (30,7%), assim como a data da primeira menstruação foi associada inversamente com essas chances, visto que as participantes que sentem algum tipo de incômodo na cabeça e possuem endometriose apresentaram mais cólicas que as demais. Concluiu-se, portanto, que devido à forte correlação, aquelas que se apresentam com essas condições devem ser examinadas para maximizar os benefícios dos cuidados.
Leia Mais
Sobre a videolaparoscopia cirúrgica
A videolaparoscopia cirúrgica, que tem importância diagnóstica e terapêutica, é uma técnica na qual são feitas pequenas incisões para ter acesso aos órgãos pélvicos e abdominais. Por meio dela, é possível avaliar o útero, as trompas uterinas, os ovários e todas as estruturas anatômicas que estão em contato íntimo aos mesmos. Isso permite o tratamento de: - Miomas uterinos; - Gravidez ectópica; - De tubas uterinas para laqueadura tubária ou recanalização das mesmas em pacientes submetidas à laqueadura tubária anterior; - Histerectomia; - Incontinência urinária. Por ser um procedimento minimamente invasivo muitas vantagens são atribuídas a ele, como a rápida recuperação e o retorno precoce às atividades do dia a dia.
Leia Mais
Como funciona a videolaparoscopia diagnóstica?
A videolaparoscopia diagnóstica é um procedimento minimamente invasivo, benéfico no diagnóstico de mulheres com infertilidade e extremamente útil na análise de algumas patologias existentes no interior do abdômen, tais como: - Endometriose; - Dor pélvica - Aderências genitais. Por não ser um processo agressivo, a videolaparoscopia é considerada quase um exame ambulatorial, podendo ser realizada em regime de “day hospital” (internação de um dia).
Leia Mais
O que a histeroscopia diagnóstica investiga?
A histeroscopia diagnóstica é um exame realizado para visualizar duas partes internas do sistema reprodutor feminino: o canal endocervical e a cavidade uterina, sendo que o primeiro está localizado no colo do útero e a segunda pode ser definida como a estrutura que abriga o endométrio. Ela é feita para identificar alterações intrauterinas e faz parte da lista de exames que antecedem fertilizações in vitro. O procedimento é simples e pode ser realizado em ambulatório hospitalar ou no próprio consultório médico. Entre os fenômenos investigados, é possível citar: - Infertilidade; - Pólipos; - Miomas; - Aderências uterinas; - Alterações significativas no endométrio; - Hemorragias; - Adenocarcinomas; - Abortamentos frequentes.
Leia Mais
Você sabe como funciona a histeroscopia cirúrgica?
Como o nome sugere, a histeroscopia cirúrgica é um procedimento realizado dentro de um centro cirúrgico, com aplicação de anestesia, que pode ser geral ou local de acordo com a avaliação do médico responsável. Ao contrário da histeroscopia diagnóstica, ela é realizada para tratamento de alguma alteração uterina significativa previamente diagnosticada. Ou seja, é feita visando a retirada de qualquer corpo estranho que esteja atrapalhando a saúde do sistema reprodutivo ou causando desconforto na mulher. Entre os procedimentos mais comuns feitos por meio da mesma, é possível citar: - Extração de pólipos; - Remoção de miomas; - Biópsias; - Ablações endometriais; - Extirpação de sinéquias uterinas.
Leia Mais
Você sabe como funciona a histeroscopia diagnóstica?
A histeroscopia, popularmente chamada de vídeo-histeroscopia, é um procedimento ginecológico com baixos índices de complicações feito para investigar a presença de elementos estranhos no útero e retirá-los de forma minimamente invasiva. O processo é feito por meio da inserção de um aparelho chamado histeroscópio, que permite que o médico veja o interior do mesmo e das tubas uterinas, tornando-o, portanto, apto a analisar e dizer a paciente o que está errado. Existem dois tipos de histeroscopia, com procedimentos de execução e objetivos totalmente distintos, sendo a primeira chamada de diagnóstica e a segunda de cirúrgica. O doutor deverá solicitar o exame quando suspeitar de doenças que estejam atingindo o sistema reprodutor da paciente, tendo contraindicações para gestantes e mulheres com infecções genitais.
Leia Mais
Você sabe o que é endoscopia ginecológica?
A endoscopia ginecológica é uma técnica que consiste em utilizar o endoscópio para visualizar o interior do abdômen, diagnosticar doenças e realizar operações de alta complexidade. A mesma é constituída por dois procedimentos principais: laparoscopia e histeroscopia, porém, nos últimos anos, com o surgimento de pequenas câmeras de vídeo, ambos passaram a ser chamados de videolaparoscopia e videohisteroscopia, pois captam as imagens geradas pelo endoscópio e transmitem para um monitor de televisão. Ela também ajuda a tratar grande parte das patologias ginecológicas e preza, sempre, pela mínima invasão no corpo humano, o que causa, portanto, menos agressões e traumas a ele.
Leia Mais
Tenho Endometriose no intestino: o que devo fazer?
Em primeiro lugar é não se apavorar!! O próximo passo a ser dado diante da suspeita de endometriose profunda com comprometimento intestinal é estabelecer um diagnóstico preciso e completo. Recomendamos associar alguns métodos de diagnóstico por imagem que permitirão mapear toda a pélvis feminina e definir com precisão a extensão, a profundidade e a porcentagem da circunferência intestinal comprometida. A ultrassonografia intestinal com preparo intestinal, a ecoendoscopia baixa e a ressonância magnética são os métodos mais eficazes para este fim. Depois disto recomendamos uma consulta com um especialista em endometriose para definir o melhor tratamento a ser instituído: medicamentoso ou cirúrgico. A endometriose intestinal deve ser sempre tratada! Sabemos que o tratamento medicamentoso com hormônios não é capaz de "destruir" a doença, mas é eficaz no controle da dor causada pela endometriose em muitas situações. O tratamento cirúrgico por videolaparoscopia com a remoção completa da doença intestinal e dos órgãos genitais é sempre a nossa preferência pois é altamente eficaz no controle da dor, promove a melhora significativa na qualidade de vida das mulheres e está associado a baixo índices de complicações em nossa experiência.
Leia Mais
Quais são os sintomas da Endometriose?
A cólica menstrual (dismenorréia) é o principal sintoma associado a doença. Outros sintomas como dor na relação (dispareunia) e dores abdominais contínuas, não cíclicas, também podem estar presentes. A presença de ciclos menstruais irregulares também é um possível fator associado a endometriose. O exame de toque ginecológico é o principal método de suspeita diagnóstica da endometriose profunda.
Leia Mais
O que é Endometriose?
A endometriose é uma doença inflamatória que geralmente compromete os órgãos genitais femininos. É conceituada como a presença fora do útero (nas trompas, ovários, ligamentos uterinos, peritônio, bexiga, intestino e outras localizações) de um tecido com características funcionais similares às do endométrio (camada que reveste o interior do útero e é responsável pela formação da menstruação).
Leia Mais
Contato
Endereço
Rua Martinico Prado, 167
(11) 3223-0069
(11) 98459-9036
contato@nucleoproendometriose.com.br
No Núcleo Pró Endometriose da atenção integral à mulher com endometriose é mais que um conceito, uma vivência diária e conta com uma parceria importante com o Hospital Santa Isabel.  
Higienópolis - São Paulo - Edifício Maryland
CEP 01.224-010
Telefone
WhatsApp
Contato
Copyright © 2018 Núcleo Pró Endometriose